EQUIPES

Laboratório de Química do Estado Sólido (LQES) - IQ/UNICAMP
Responsável: Prof. Dr. Oswaldo L. Alves

O Laboratório de Química do Estado Sólido (LQES) atua no desenvolvimento de nanomateriais à base de nanotubos de carbono, carbon dots, óxido de grafeno, nanopartículas de sílica, nanopartículas de prata, materiais inorgânicos de vanadato de prata e heteroestruturas compreendendo nanocompósitos de óxido de grafeno funcionalizado com nanopartículas (prata, sílica e vanadato de prata). O grupo de pesquisa abrange, ainda, projetos atrelados à funcionalização e imobilização de moléculas orgânicas nos referidos nanomateriais, sua completa caracterização físico-química e aplicações biológicas antibactericidas, antitumorais, Drug Delivery e agroambientais detendo perfil de inovação tecnológica. O grupo de pesquisa realiza pesquisas científicas no âmbito de interações dos nanomateriais com biossistemas, estudos fenomenológicos, mecanísticos e interações químicas.

Catalisadores Moleculares para a Decomposição da Água - IQ/UNICAMP
Responsável: Prof. Dr. André L. B. Formiga

Os interesses atuais de pesquisa se concentram em conversão de energia, mais específicamente na reação de decomposição da água promovida por compostos de coordenação. Atua no planejamento (design) de ligantes e complexos que atuem como catalisadores e eletrocatalisadores para essa reação. Estuda os processos de transferência eletrônica acoplada à transferência de prótons, assim como os mecanismos dessas reações e a estrutura eletrônica dos compostos. Outros interesses de pesquisa se concentram na Química Supramolecular, tendo desenvolvido diversos sistemas/materiais como metalopolímeros, MOFs e arranjos supramoleculares usando compostos de coordenação. O grupo também tem ampla experiência no uso de métodos de cálculo de estrutura eletrônica, tendo-as usado para estudar desde estruturas supramoleculares até complexos de interesse biológico.

Laboratório Coulomb de Eletrostática e Mecanoquímica (LCEM) - Depto Física/UFSM
Responsável: Prof. Dr. Thiago A. L. Burgo

Integrantes

Thiago A. L. Burgo (Professor)
Kelly S. Moreira (IC)
Yan Araújo (IC)
Diana Lermen (IC)
Rafaela Nogueira (IC)
Letícia O. Ferreira (Mestrado).

Grupo Nanotoxicologia Oncológica (NANOBIOSS) IQ/UNICAMP
Responsável: Prof. Dr. Nelson E. C. Durán

Com a necessidade da avaliação da toxicidade de novos (nano)materiais e seus resíduos, vários modelos biológicos e abordagens vêm sendo aplicados para avaliar os potenciais efeitos tóxicos destes materiais. Em geral, estes efeitos estão correlacionados com suas características físico-químicas e estruturais. Existem dados preliminares e ainda inconclusivos quanto à toxicocinética de nanopartículas e seus mecanismos de ação. Sabe-se que a depender das suas características físico-químicas, as partículas podem alcançar a circulação sistêmica permeando as barreiras epiteliais entre as células ou via endocitose. Sabe-se que a biotransformação de nanopartículas, dentre outras, depende da composição química da superfície da partícula. Ademais, efeitos de aglomeração/agregação dos materiais nos meios biológicos desempenham papel importante na resposta tóxica e biológica. Todavia, as vias de exposição/contato dos materiais aos organismos desempenham papel fundamental na manifestação da toxicidade.
Por exemplo, considerando que os pacientes com câncer possuem importantes alterações nas funções renais e hepáticas, uma das preocupações em se trabalhar com nanomateriais é o quanto estas estruturas poderiam influenciar o meio celular onde fossem inseridas, pois existem estudos que indicam a correlação entre metodologia utilizada em sua síntese e sua composição química com os efeitos citotóxicos.
Muitos estudos têm tentado uma correção da toxicidade em animais pela nanopartículas de prat (AgNPs). Em função destes intentos de explicar sua toxicidade, pode se dizer que em aplicações orais, intravenosa e inalação na faixa de 0,1 a 2,0 mg/kg em ratos e camundongos pode se falar que são razoavelmente seguros. Em animais de grande porte pouco se sabe sobre sua toxicidade. Logo, esta foi a razão do estudo com AgNPs para tratamentos tópicos de ovinosm, com intuito de comparar com os dados com ratos e camundongos. Foi escolhida uma cicatrização para esta análise. Os resultados mostraram que a aplicação tópica de AgNPs em ovinos foi totalmente seguro pelas técnicas de nanotoxicologia em termos de padrão de NanoReg. Dado o contexto dos potenciais benefícios e dos riscos dos nanomateriais, cabem aos grupos de pesquisa a avaliação de seus nanomateriais para o estabelecimento da segurança de seus produtos, e aos órgãos reguladores, o estabelecimento de políticas de controle pré- e pós-comércio para salva-guarda da população. Nesse sentido, os ensaios de toxicidade são ferramentas importantes para a avaliação e monitoramento dos riscos de novos materiais para saúde humana e ambiental. Em especial, contribuem decisivamente para implantação do emergente conceito - Safety-by-Design, nas atividades do INOMAT.

Grupo de Materiais Poliméricos e Compósitos (GMPC) - Depto Química/UEM
Responsável: Prof. Dr. Adley F. Rubira

A equipe da universidade estadual de Maringá (UEM) que integra a área de biomateriais do INOMAT é compostas pelos professores Adley Forti Rubira (bolsista produtividade CNPQ 1A), Edvani Curti Muniz (bolsista Produtividade CNPq 1B) e Rafael Silva (bolsista produtividade CNPQ 2). A equipe em biomateriais da UEM tem focado sua atividade no desenvolvimento de novos materiais híbridos com grande utilização de polímeros naturais como matrix. Entre as aplicações testedas para os materias hibridos se destacam seus usos como sistemas de liberação controlada e scaffold para crescimento celular.

Laboratório de Polímeros (LabPol) - Depto Química Orgânica e Inorgânica/UFC
Responsável: Profa. Dra. Judith P. A. Feitosa

Os membros da Universidade federal do Ceará (UFC) que participam no time do INOMAT Biomateriais são os professores: Judith Pessoa de Andrade Feitosa, Regina Célia Monteiro de Paula, Jeanny da Silva Maciel and Haroldo Cesar Beserra de Paula. Os pesquisadores tem experiência em caracterização e aplicação de polissacarídeos obtidos de diversas Biota Brasileira. A aplicação estudada é principalmente a biológica, e inclui encapsulamento de fármacos em nano/micro partículas, e síntese e caracterização de hidrogeis injetáveis e “scaffolds”, ambos para crescimento celular. Derivatização dos polissacarídeos tem sido feita para funcionalizá-los ou para obter nanopartículas auto-organizadas. Enxertia de ácido acrílico e N-isopropilacrilamida tem sido feitas para a preparação de sistemas inteligentes (responsivos a pH e/ou temperatura). Outro grande interesse é a produção de hidrogeis e aerogeis a partir de substâncias naturais (quitosana, galactomananas, óleos vegetais, celulose, nanocelulose) com ou sem polímeros acrílicos.

Laboratório de Tecnologia Educacional (LTE) - IB/UNICAMP
Responsável: Prof. Dr. Eduardo Galembeck

Temos uma equipe de designers e programadores de software educacional experientes. Também desenvolvemos uma tecnologia exclusiva que permite que os instrutores tenham avaliações incorporadas nos aplicativos que desenvolvemos, o que significa que o desempenho dos alunos pode ser registrado enquanto os alunos realizam tarefas usando nossos aplicativos. Também mantemos canais usados ​​para dar um amplo acesso ao conteúdo que desenvolvemos e aos cursos abertos que ensinamos.

Grupo de Catálise - IQ/UFRJ
Responsável: Prof. Dr. Marco A. N. Chaer

Conteúdo em elaboração .

Laboratório de Materiais Funcionas - IQ/UNICAMP
Responsável: Prof. Dr. Fernando A. Sígoli e Prof. Dr. Ítalo O. Mazali

Conteúdo em elaboração